Dark kitchen: uma nova oportunidade para o food service

Por Felipe Criniti

Dark kitchens, expressão inglesa também conhecida como restaurante-fantasma em português, são bastante comuns no Reino Unido e nos Estados Unidos em decorrência da popularização dos aplicativos de comida.

Ao contrário do que o nome pode sugerir, não se trata de lugares sombrios com conotação negativa. São estabelecimentos que existem apenas virtualmente, não possuindo ponto físico com mesas e garçons, o que leva à redução de custos, podendo a empresa se dedicar exclusivamente aos pratos e não ao serviço. Desse modo, é necessário menor espaço físico para funcionar e há mais flexibilidade em relação ao local físico, podendo poupar com os gastos com aluguel, por exemplo.

Outra prática dessa modalidade é o compartilhamento de espaço com outros estabelecimentos da mesma rede ou de diferentes proprietários. A operação é bastante semelhante entre os restaurantes, então no mesmo ponto pode haver uma rede de fast food trabalhando ao lado de um bistrô francês.

O mercado de delivery já estava em ascensão, mas a pandemia da covid-19 pode ter acelerado esse modelo de restaurantes por aqui. De acordo com a ABRASEL (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), anualmente há aumento de 20% dessa modalidade de estabelecimento. É comum hoje ver restaurantes novos em aplicativos de food service, bem avaliados, e quando se procura um ponto de venda físico ele não aparece nas buscas. Sem contar que o app já é um meio de divulgação do local, ainda mais se ele estiver com boa avaliação dos usuários.

Um case de sucesso em dark kitchen é a mexicana IT Burger, que começou como uma cozinha fantasma, apenas disponível via app. Com o passar do tempo, foi subindo na avaliação dos usuários e eles passaram a ter a curiosidade de ir fisicamente ao local. Procuraram o endereço, mas não tiveram sucesso. Com a demanda, foi inaugurado o primeiro restaurante da rede.

Essa modalidade pode ser um bom ponto de partida para muitos empreendedores, pois, em primeiro momento, as vantagens se sobressaem em relação às desvantagens. Com pandemia ou sem pandemia, o food service vai ser um aliado de todos nós sem prazo de validade.

*Felipe Criniti é CEO da Box Delivery, empresa especializada em soluções tecnológicas para serviços de logística. – [email protected]

Sobre a Box Delivery

A Box Delivery é uma empresa especializada em soluções tecnológicas para serviços de logística, no modelo “last mile”. Foi criada em 2016 pelo empresário Felipe Criniti, em Santos. Está presente em 22 estados brasileiros e Distrito Federal, possui mais de 5.000 estabelecimentos comerciais cadastrados. A companhia possui, atualmente, cerca de 74 mil parceiros entregadores e realiza, em média, cerca de 18 mil entregas diárias, ultrapassando 3 milhões desde sua fundação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *