Organização financeira em tempos de crise

Todos estamos sujeitos a crises, mas afinal, como passar por esses momentos mantendo a vida financeira organizada? Confira mais nesse artigo!

Segundo um estudo feito pela Confederação Nacional do Comércio de bens, serviços e turismo, o Brasil terminou o ano de 2020 com o maior índice de endividamento familiar dos últimos 11 anos. O estudo apontou um índice de 66,5% de endividados. Além disso, cerca de 40% encontram-se negativados nos órgãos de serviço de proteção ao crédito.

Entre os principais causadores dessas dívidas encontram-se o cheque especial, carnês de pagamento e financiamentos. De modo que em momentos de crise ou não, é preciso ter um cuidado a mais para não sair do controle com essas opções.

Mas será que é possível organizar as contas na crise e realizar um planejamento financeiro pessoal? Este artigo tem o objetivo de trazer dicas importantes para ajudar a planejar e organizar as finanças na crise e em todos os momentos da vida.

Organização financeira em tempos de crise

Em tempos de crise fica ainda mais difícil manter o planejamento financeiro, principalmente se ele já não ocorre de maneira correta no dia a dia.

Se o orçamento já estiver descompensado, o primeiro passo e mais importante é não adquirir dívidas novas. Ou seja, não faça nenhuma compra enquanto as finanças estiverem descontroladas.

Muitas pessoas não resistem a uma promoção ou a queima de estoque, principalmente, do seu produto favorito. Porém, num momento de crise e reorganização das finanças, não se deve abrir mão nem para uma parcela de R$10. Ao se permitir gastar um valor assim, em outro momento se permitirá gastar mais um outro. E ao final, quando for somar pequenos valores, a fatura terá um valor considerável.

Benefícios de uma boa organização financeira

O planejamento financeiro pessoal permite que se tenha um conhecimento amplo sobre suas contas e movimentações. Dessa forma é possível gerir as despesas de forma organizada.

Esse planejamento financeiro permite saber para onde estão indo os recursos e quando é o momento de reduzir os gastos.

Portanto, os principais benefícios de uma organização financeira são:

  • Oportunidade de planejar o futuro;
  • Possibilidade de alcançar metas de forma organizada e sem endividamento excessivo;
  • Decisões de compras mais embasadas;
  • Menor estresse com a incerteza e medo de uma instabilidade financeira;
  • Possibilidade de formar um patrimônio ao longo dos anos;
  • Uma vida mais saudável, pois a ansiedade com dívidas gera problemas de saúde.

Como ter um bom planejamento financeiro?

A base de um planejamento financeiro é ter total conhecimento de suas receitas e suas despesas, ou seja, saber quanto de dinheiro entra e o quanto sai. Em momento algum as receitas poderão ser menores que as despesas. 

Para auxiliar nessa organização financeira, a sugestão é criar uma planilha de controle de gastos. Dessa forma será possível apurar se há alguma despesa em excesso e assim analisar o que poderá ser cortado ou reduzido.

Mesmo com o orçamento organizado e equilibrado a planilha deve ser utilizada. Pois ela será a primeira a sinalizar quando algo sair fora do controle.

Além de planilhas, há muitos aplicativos gratuitos que auxiliam nessa organização e planejamento financeiro pessoal e podem ser uma verdadeira ajuda na rotina financeira.

Busque fontes de renda alternativas

Por mais que as despesas sejam cortadas ou reduzidas, nem sempre esses cortes são suficientes para organizar  as contas na crise. Por isso, uma excelente forma de ajudar nesse equilíbrio é aumentar a receita.

Atualmente, as rendas sociais permitem encontrar formas alternativas de renda. Pode ser através da culinária ou artesanato, por exemplo, assim é possível vender pelas redes sociais e alcançar um público maior.

Além disso, há plataformas de freelancers onde é possível se cadastrar e encontrar trabalhos, como tradução de textos, escrita de textos para blogs, aulas de reforço e muitas outras atividades.

Emergências financeiras: o que fazer?

Dentro de um planejamento financeiro, o ideal é guardar, todo mês,  uma parcela dos rendimentos e assim criar um fundo de reserva. E esse dinheiro deverá ser usado somente em momentos de emergências.

Quando não há essa reserva e já não há mais como reduzir custos e aumentar a renda, será necessário tomar outras decisões. Nesses momentos, às vezes, a solução ideal é recorrer a algum tipo de empréstimo.

A internet trouxe muitas opções de crédito e empréstimos online. Mas nessa hora é necessário ter cuidado e analisar todas as opções, comparando todas as taxas de juros e outros benefícios.

Algumas das principais opções de empréstimos, como o pessoal, consignado ou com garantia, podem ser feitas totalmente online. Além disso, é possível também comparar em um único site as taxas de juros oferecidas por diferentes empresas. Confira abaixo um pouco mais sobre elas:

• O Empréstimo pessoal é a modalidade mais comum. O cliente paga as parcelas através de boletos ou através do débito em conta;

• O empréstimo consignado, por exemplo, é uma modalidade de crédito diferenciada, pois as parcelas são descontadas diretamente no contracheque ou benefício do cliente. Isso garante que essa operação tenha juros bem menor que o empréstimo pessoal;

• O Refinanciamento de Veículo é uma modalidade de empréstimo com garantia. Isso porque o veículo do cliente é posto como garantia para quitação do empréstimo. Ou seja, caso o cliente não honre a dívida, o banco executa a garantia e fica com o bem para garantir o pagamento. Por ter essa garantia, os juros também são bem menores. Além desse, há também a opção de refinanciamento de imóvel.

Em muitos casos, vale a pena fazer a troca de dívidas. Ou seja, trocar uma dívida com juros maiores por uma com juros menores. Cheque especial e cartões de crédito são bons exemplos disso. Eles possuem os juros bem mais altos que os juros de empréstimos.

Não importa qual seja a opção de crédito escolhida, ela deve ser bem avaliada. Lembre-se que as parcelas devem caber dentro do novo orçamento, principalmente se a opção for empréstimo com garantia, pois nesse caso a inadimplência leva à perda do bem.

Considerações finais

Caso você já possua dívidas, tente negociá-las o quanto antes, buscando formas de diminuir as taxas de juros atuais e pagar o valor com descontos.

Já se você está em um momento mais saudável em sua vida financeira, busque se precaver de possíveis imprevistos montando sua reserva de emergência. Assim você poderá ter mais tranquilidade, seja em momentos de crise ou não.

Com essas dicas e com muita disciplina ficará mais fácil organizar as finanças na crise. Realizando o planejamento financeiro todos os meses o risco de passar por esses apertos será bem menor. 

E não se esqueça de compartilhar esse artigo com algum amigo que esteja passando pelo mesmo problema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *